Nanicos farão reunião com Kimpara e devem convidá-lo à disputar a Prefeitura de Rio Branco

Nanicos farão reunião com Kimpara e devem convidá-lo à disputar a Prefeitura de Rio Branco

Reunião seria em caráter reservado, mas notícia vazou ao ContilNter e os envolvidos agora lutam para manter em segredo o que deve ser discutido

TIÃO MAIA, CONTILNET

Os chamados partidos nanicos – PV, Pros, Podemos, PRB e PSOL – devem se reunir nesta sexta-feira (08), em algum lugar reservado da cidade, com o professor universitário Minoru Kimpara, ex-candidato ao Senado que obteve mais de cem mil votos em 2018 e cujo nome vem sendo cobiçado por vários grupos partidários, inclusive o tradicional MDB, para ser candidato a prefeito de Rio Branco no ano que vem.

A reunião deveria ocorrer em caráter sigiloso, mas chegou ao conhecimento do ContilNet e a informação de que a notícia seria divulgada no site suscitou reunião de emergência na tarde desta quinta-feira (07), na sede do PSOL, para um possível alinhamento quanto à divulgação dessas reuniões que deveriam ser secretas.

A professora Degmar Kimpara, esposa do professor e pessoa indicada por ele para falar com a imprensa, confirmou o convite para a reunião mas ressaltou que só ele poderia detalhar o que deve ser tratado, num posterior telefonema ao repórter. Até o fechamento desta matéria, o professor não havia ligado ao repórter.

Fernando Melo, presidente do Pros e em cuja sede deveria ser realizada a reunião disse que não faz política com mistério, mas ressaltou que, para dar qualquer informação sobre o encontro, precisaria da autorização dos demais participantes. O mesmo disse Francimar Asfury, presidente do Podemos.

“Só falo com a autorização dos companheiros”, disse, sem deixar de confirmar a existência da reunião.

O fato é que, se houver mesmo a reunião – já que o vazamento da informação comprometeria o caráter reservado que os dirigentes queriam empregar ao encontro, Minoru Kimpara deve ser formalmente convidado para se filiar a um dos partidos pequenos para concorrer à Prefeitura, no ano que vem.

“Sem Partido ele não poderá concorrer e eu duvido muito que ele tenha pejo para se filiar ao MDB, partido tradicional e que é conhecido por deixar candidatos e candidaturas pelo caminho”, disse um dos dirigentes que pediu para não ter o nome divulgado.

A declaração faz referência ao fato de, em duas eleições seguidas, nomes como o do economista Adalberto Ferreira, professor universitário e ex-deputado de reconhecida capacidade e reputação ilibada, ter sido convidado a ser candidato a governador pelo presidente do MDB, deputado federal Flaviano Melo, e de uma hora para outra viu seu nome ser retirado e desfigurado pelo partido sem maiores explicações de quem havia feito o convite. O mesmo aconteceu com o então vereador Rodrigo Pinto, filho do falecido governador Edmundo Pinto, cujo nome chegou a ser anunciado como candidato a governador e depois houve a retirada do convite, razão pela qual o rapaz se desencantou com a política, com o Acre e com o próprio Brasil e hoje vive em Dubai, nos Emirados Arabes, como treinador de artes marciais da guarda presidencial do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui