O cinismo de Edvaldo Magalhães só perde mesmo para a incompetência de Tião Viana


O cinismo de Edvaldo Magalhães só perde mesmo para a incompetência de Tião Viana

Por Da Redação. Altoacre- 1 de março de 2019

Deputado do PCdoB sugere calote contra as contas de energia e bloqueios populares para impedir a suspensão do serviço

Cérebro de comunista

O deputado Edvaldo Magalhães, do PCdoB, engrossou o pescoço contra o reajuste de 21% no valor da energia elétrica após a privatização da outrora estatal Eletrobras Distribuidora Acre. E foi além em seu alarido: propôs que a população acreana não pague as faturas e ainda se mobilize contra o direito da empresa de suspender o fornecimento aos inadimplentes.

Literatura e política

Suspeito que Magalhães tenha lido a obra “Desobediência Civil”, escrita por Henry David Thoreau em 1849. O objetivo do ensaio era convencer seus leitores a lutarem contra governos e sistemas políticos marcados pelo autoritarismo e a opressão. No livro, Thoreau sugeriu que o povo deixasse de pagar impostos.

As ideias governam o mundo

A tese de Thoreau influenciou movimentos como o liderado por Mahatma Gandhi contra o jugo imposto pelos ingleses aos indianos, bem como inspirou Luther King em sua campanha pelos direitos civis dos negros estadunidenses.

De que lado ele está

Ocorre, porém, que o comunista Edvaldo Magalhães sempre esteve no campo oposto ao dos oprimidos, partidário que é das ideias e atrocidades cometidas por genocidas como Stálin, Pol Pot e Mao-Tse Tung – só para ficarmos nos ditadores sanguinários da Rússia, Camboja e China, respectivamente. Todos eles comunistas, como o Sr. Magalhães.

Memoriol

Tão relevante quanto o aspecto histórico nessa questão atual vem a ser o seu substrato político. Semanas atrás, critiquei aqui a iniciativa do também camarada Jenilson Leite por sua contraditória luta contra o mesmo reajuste proposto pela Energisa: é que, como aliado do governo petista, Jenilson – tal qual Edvaldo – nunca se queixou da tunga imposta pelos governos companheiros no bolso do trabalhador, em forma de 25% de ICMS sobre a conta de luz.

O cúmulo do cinismo

A propósito, a cobrança do imposto estadual se dá sobre os dois outros tributos cobrados pelo governo federal, o que eleva o percentual do ICMS para 33%. Isso significa que a cada 100 reais que pagamos pela energia nos últimos 20 anos, 33 paus foram parar nos cofres dos governos do PT. E os comunistas, sempre tão bem acomodados em altos cargos da administração pública estatal, nunca propuseram boicote ao pagamento das faturas.

Questão de ordem

Além disso, a receita do remédio amargo agora prescrita pelo deputado do PCdoB decorre de uma enfermidade que por décadas carcomeu a estatal elétrica acreana, a partir da inoperância dos incapazes e de sua voracidade por benesses – coisa tão comum em meio à nossa classe política.

Irresponsabilidade

No mais, a proposta do parlamentar do PCdoB beira a irresponsabilidade, frente ao lamentável episódio, ocorrido no dia 15 de janeiro deste ano, na cidade de Paço do Limiar, na região metropolitana de São Luiz. Dois trabalhadores que prestavam serviço à Companhia Energética do Maranhão (Cemar) foram assassinados quando tentavam interromper o fornecimento de energia elétrica de uma residência do bairro Sítio da Natureza.

Língua solta

Ao que parece, não ocorreu a Edvaldo que sua infeliz proposta de bloquear o acesso dos prestadores de serviço da Energisa às residências dos caloteiros pode ter resultados semelhantes ao ocorrido em São Luiz. A imprudência da proposta me leva a crer que a língua do deputado é bem mais eficiente que o cérebro.

Especialistas

E pra encerrar esse assunto – e fazer justiça ao título da coluna de hoje –, cabe ressaltar que a estupidez expressa por Edvaldo Magalhães só perde mesmo para a patifaria protagonizada pelo ex-governador Tião Viana, do PT, ao deixar o cargo sem honrar o pagamento do 13º salário dos aposentados e pensionistas do estado. Do que se pode concluir que de calote essa turma entende tudo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui