ACRE Jovem encontrado morto após sair com amigas tinha feito ‘bicos’ para ir à feira agropecuária de Rio Branco

O Jovem Vitor Vieira de Lima, de 18 anos, tinha feito alguns “bicos” para conseguir R$ 100 e ir à feira agropecuária – Expoacre – de Rio Branco, capital do Acre. No domingo (7), ele saiu com as amigas Isabele Silva Lima, de 13 anos, e Amanda Gomes de Souza, de 14, e os três desapareceram.

Dois dias depois, o corpo do rapaz foi encontrado dentro de um poço no bairro Taquari, onde os três moravam. Lima tinha várias perfurações pelo corpo e estava com as mãos amarradas.

Nesta quinta (9), o corpo de Isabele foi achado em um matagal do mesmo bairro onde estava o corpo de Vitor. Amanda continua desaparecida. Os amigos foram velados na mesma igreja na Assembleia de Deus, no Taquari.

“Pagava um curso de informática para ele. Faltavam três módulos para terminar. Estava fazendo planos para ser chamado para o Exército. Se não chamassem ele, iria atrás de um trabalho. Meu filho trabalhou tanto para ir para a Expoacre. Fez a cerca da avó dele, foi para a tia ajeitar a casa dela. Conseguiu R$ 100, mas só levou R$ 50 e o resto deixou aqui”, contou emocionada a mãe do rapaz, Alcirene Lopes.

Os outros R$ 50 seriam usados no conserto do celular do jovem. Além da expectativa de ser chamado para o Exército, Alcirene relembrou, nesta sexta (10), que Vitor tinha reprovado em duas disciplinas, refez as provas e esperava os resultados.

“Tinha ficado reprovado em duas matérias, mas foi lá e pagou. O resultado sairia agora. Disse: ‘mãe, agora vai sair o resultado se passei ou não’. Meu filho não era uma pessoa má. Todo canto que saía dizia: ‘mãe, vou aqui, vou ali’, jogava o futebol dele. Tudo que acontecia falava para mim. Tinha acesso ao Facebook dele, ao messenger e ao telefone dele”, complementou.

A mãe se revoltou ao falar dos comentários feitos por algumas pessoas sobre a morte do rapaz. Segundo ela, a morte do filho foi motivado por ciúmes, inveja ou vingança.

“Ficam inventando que era de facção, mas isso é mentira. Isso não foi por causa de facção, isso foi por inveja, ciúmes ou vingança. Alguma coisa. Era amiguíssimo da Amanda, ficavam horas no telefone. Tinham combinado de ir para a Expoacre juntos”, lamentou.

Sonho de fazer educação física
Ainda segundo Alcirene, o filho sonhava em fazer faculdade de educação física. O rapaz chegou a pedir para mãe pagar uma faculdade particular para ele, mas Alcirene disse que não tinha condições financeiras.

“Tinha feito o Enem para educação física e queria ser chamado. Me pediu para pagar uma faculdade para ele e disse que não tinha condições de pagar. Queria fazer educação física, era o sonho dele, só falava isso para mim. Chegou a se inscrever no Sisu, mas tinha tirado uma nota baixa”, contou entre lágrimas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui